quarta-feira, 12 de setembro de 2012

A CIENCIA DA INFORMAÇÃO

Borko (1968) descreveu que a Ciência da Informação (CI) é como uma disciplina que investiga as propriedades e o comportamento da informação, as forças que governam seu fluxo, e os meios de processá-la para otimizar sua acessibilidade e uso. Está ligada ao corpo de conhecimentos relativos à origem, coleta, organização, estocagem, recuperação, interpretação, transmissão, transformação e uso da informação. Tem um componente de ciência pura, através da pesquisa dos fundamentos, sem atentar para sua aplicação, e um componente de ciência aplicada, ao desenvolver produtos e serviços.

Por sua característica de ciência interdisciplinar, a CI deriva-se e associa-se a outras áreas do conhecimento, como Ciência da Computação, Comunicação, Administração, Informática, Matemática, Lógica, Lingüística, Psicologia, Pesquisa Operacional, Análise de Sistemas, Artes Gráficas, Educação, Biblioteconomia, Arquivística, entre outras. Assim, a biblioteca tradicional e a documentação não são mais do que aplicações particulares da Ciência da Informação. Entre um extremo e outro do processo de produção/utilização da informação, situam-se técnicos e especialistas que processam a informação contida nos diversos documentos, reunindo-a, canalizando-a, tratando-a, selecionado-a, difundindo-a, armazenando-a e recuperando-a, facilitando, assim, o trabalho dos usuários, que podem ter acesso a informação de que precisam, nos mais diferentes suportes e nas mais variadas formas de distribuição.
Foskett (1980) privilegiando a CI no aspecto de sua inserção nos campos da ciência, diz que é uma disciplina que surge de uma ´fertilização cruzada´ de ideias que incluem a velha arte da biblioteconomia, a nova arte da computação, as artes dos novos meios de comunicação e aquelas ciências como psicologia e linguística que, em suas formas modernas, têm a ver diretamente com todos os problemas da comunicação – a transferência do conhecimento organizado.
A informação se caracteriza, enquanto objeto da CI, pela função que lhe é atribuída, ou seja, uma utilidade informacional em algum momento para algum segmento institucional. Uma vez atribuída uma utilidade informacional ao objeto, em decorrência o mesmo deve ter sido registrado (para sua utilização no futuro) e armazenado de forma tal (organizado) que possa efetivamente ser encontrado quando buscado. Esta definição é restritiva, mas nos parece mais produtivo (construir conhecimento) neste sentido ao invés de adotarmos uma visão muito abrangente e nada conseguirmos avançar num universo que se diluirá em diferentes áreas do conhecimento.
Um profissional de CI detém conhecimentos teóricos e domina fundamentalmente conceitos e procedimentos que podem ser utilizados em uma série de situações que pressupõem a necessidade da organização, manipulação, disponibilização e uso da informação. Enfatizando o domínio sobre uma área do conhecimento e o espectro de atividades em que o profissional da informação pode atuar o produto gerado potencializa consideravelmente o resultado.
Lima (2003) comenta que a CI apareceu como uma nova área do conhecimento a partir da revolução técnico-científica posterior à II Guerra Mundial. O grande volume de informações gerado no crescente número de áreas do conhecimento passou a demandar um nível maior de organização informacional. As questões relativas à Recuperação da Informação (RI) desencadearam a busca da construção de um edifício teórico, empírico e prático no qual se pudesse abrigar a CI. São exemplos desse progresso a evolução de sistemas, técnicas e máquinas para recuperação de informação, assim como os estudos teóricos e experimentais sobre a natureza da informação; a estrutura do conhecimento e seus registros; os usuários da informação; o comportamento humano diante da informação e sua utilização; a interação homem-computador; a utilidade e obsolescência da informação; medidas e métodos de avaliação dos sistemas de recuperação; economia, impacto e valor da informação, entre outros. Além disso, o desenvolvimento epistemológico da CI propiciou e influenciou a emergência e a evolução da indústria informacional, a partir do pragmatismo observado na aplicação empresarial da RI.
Na Era da informação e com o desenvolvimento tecnológico, o modelo da mente humana começou a ser associado ao computador. O cérebro e a mente humanos, por sua vez, têm sido comparados ao disco rígido e softwares dos computadores: "O cérebro é somente um computador digital e a mente é somente o programa de computador" (SEARLE, 1984).
Para finalizar, Lima (2003) explica que na interseção da ciência da computação com a CI, tendo como base a aplicação dos computadores e da computação na RI, destacam-se as áreas da inteligência artificial (IA) e da interação homem-computador. A IA busca reproduzir a atividade mental do homem em tarefas como a compreensão da linguagem, a aprendizagem e o raciocínio. Essas tarefas estão associadas à CI e à CC no padrão de representação e nas atividades de processamento da informação, estabelecendo limites nos modelos de construção da representação do conhecimento.
BORKO, H. Information science: what is it? American Documentation, v. 19, n. 1, p. 3-5, 1968.  
FOSKETT, D. J. A ciência da informação como disciplina emergente: implicações educacionais: ciência da informação ou informática. Rio de Janeiro: Calunga, 1980. p. 53-69. 
LIMA, Gercina Ângela Borém. Interfaces entre a ciência da informação e a ciência cognitiva. Ci. Inf. [online]. 2003, vol.32, n.1, pp. 77-87. ISSN 0100-1965.  http://dx.doi.org/10.1590/S0100-19652003000100008.
CELSO MOREIRA FERRO JÚNIOR

Advogado

Consultor em Segurança, Análise de Riscos, Inteligência e Contra-inteligência.

Delegado de Polícia
Civil do Distrito Federal Aposentado.

Mestre em Gestão do Conhecimento e Tecnologia da Informação na Universidade Católica de Brasília.
Pós-graduação (Especialista) em Gestão de Tecnologia da Informação na Universidade de Brasília UNB;
Pós-graduação (Especialista) em Inteligência Estratégica UNIEURO.
Pós-graduação (Especialista) em Polícia Judiciária na APC/UCB;
Graduação em Direito pelo Centro Universitário do Distrito Federal, atual UDF, 1987.

Formação Complementar
Advanced Management Course - International Law Enforcement Academy. EUA. 2007.
Advanced Course Inteligence - IMI, Israel. 2002
Curso Superior de Polícia. Academia de Polícia Civil do
Distrito Federal.
Operações de Inteligência. Vertente: Planejamento de
Operações de Inteligência. ABIN. 2000.
Procedimentos de Inteligência. Vertente: Análise.
ABIN. 2001.
Ciclo de Estudos de Política e Estratégia da Associação dos
Diplomados da Escola Superior de Guerra ADESG/UNB

Concentração de Estudos em Gestão do Conhecimento, Ciência da Informação, Inteligência Policial, Inteligência Tecnológica, Interceptação Telefônica e Ambiental, Cognição Investigativa, Análise de Vínculos e Inteligência Organizacional.

Autor dos Livros “A Inteligência e a Gestão da Informação Policial”, Editora Fortium, e, “Segurança Pública Inteligente” Editora Kelps.

Conferencista em vários Seminários e Eventos Nacionais e Internacionais sobre Segurança Pública. Palestrante e docente em diversos cursos de formação de agentes de segurança pública e em diversas Instituições de Ensino Superior (IES), mais recentemente do Núcleo de Estudos em Defesa, Segurança e Ordem Pública (NEDOP) do Centro Universitário do Distrito Federal (UniDF). Diretor Científico Adjunto do Instituto Brasileiro de Inteligência Criminal INTECRIM.

Coordenou e executou na Polícia Civil Distrito Federal importantes projetos na área de Tecnologia e Inteligência.

Comandou as ações Repressão ao Crime Organizado, Inteligência Policial, Operações Especiais, Repressão a Sequestros, Crimes Contra a Administração Pública, Crimes Tecnológicos, Análise Criminal, Planejamento e Logistica Operacional, Comunicação Organizacional, Controle de Armamento, Munições e Explosivos, Operações Aéreas e Delegacia Eletrônica.