segunda-feira, 2 de julho de 2012

O QUE É INTELIGÊNCIA POLICIAL


Instituições policiais modernas precisam estar dotadas de inteligência, ter infraestrutura tecnológica e investir na qualificação de agentes.  São organizações que atuam num ambiente de excesso de informações, e quase sempre, necessitam empregar algum método de análise. Isto significa dizer que devem possuir a capacidade de interpretação de grande quantidade de dados, extraindo significados diante de muitos nós e evidências. A atividade investigativa tem que estar apta a enxergar através da nebulosidade gerada pelo volume de informações e sentir confiança na tomada de decisões, principalmente quando se depara com atividades ilegais, cuja variedade de ações delitivas demonstra complexidade no crime.
A análise de Inteligência, realizada simultaneamente com a análise investigativa, se desenvolve pela exploração e/ou mineração de grandes bases de dados (oriundas da quebra de sigilo inclusive), proporcionando em proveito, o estabelecimento de evidências por meio da visualização das entidades relacionadas. Isso vem trazendo resultados bastante positivos  em casos complexos de corrupção,  fraudes, crimes financeiros e em geral nos crimes contra a administração pública.
É como visualizar um sistema nervoso humano. “O sistema nervoso biológico dispara reflexos para que possamos reagir rapidamente ao perigo ou à necessidade”. Ele nos dá muitas informações de que precisamos enquanto consideramos as alternativas e fazemos escolhas. Na investigação do crime complexo é como visualizar o sistema nervoso, analisando o fluxo dos delitos, conexões das ações ilegais, condutas etc.
No campo da antecipação, a Inteligência Policial (INP) é um conjunto de procedimentos realizados visando o controle efetivo do crime, ou seja, reagindo com oportunidade. Consiste num processo dinâmico que permite em perceber o desenvolvimento do crime, realizar prognósticos e planejar as respostas. A INP é um conjunto de atividades altamente especializadas, como suporte operacional. De forma sistêmica, faz uso de tecnologias modernas e métodos de produção de conhecimento, auxilia a decisão na investigação criminal e dá assistência na formação das provas.
Nas organizações policiais modernas a INP refere-se substancialmente à atividades de prospecção e monitoramento informacional, que são fundamentais e indispensáveis para a compreensão dos casos complexos. Através da prospecção informacional é possível estabelecer uma estrutura das fontes de informação, que proporciona um conhecimento significativo do fato para prever os próximos movimentos do crime.
A INP monitora informações oriundas do ambiente para se antecipar aos eventos criminais. O monitoramento do ambiente, a produção de informação e atuação sistêmica da inteligencia está diretamente relacionada a capacidade de antecipação. 
A informação também é considerada um fator estruturante e um instrumento básico para a gestão policial, portanto, a gestão efetiva da informação na organização policial requer a percepção objetiva e precisa do seu valor e a precisão dos sistemas de informação.
Considerando que a informação é a matéria prima da INP são necessários cumprir etapas fundamentais na prospecção e monitoração informacional para que seja eficaz. São elas: i) identificação das necessidades (quais assuntos devem ser monitorados e pertinência); ii) obtenção (eletrônica inclusive) pela coleta, recepção e produção; iii) tratamento (formatação, estruturação, classificação, análise, síntese); iv) distribuição (por meio da rede de conhecimento) critérios para seu fluxo Interno, externo, formal e informal; v) uso (que confere a possibilidade de combinação, credibilidade e oportunidade); e vi) reuso, (considerando nesse aspecto o processo de retroalimentação do conhecimento, possibilidade de recuperação e armazenamento).
A INP facilita a execução da gestão estratégica da informação em busca de significado (utilização do conhecimento em prol das ações institucionais). O significado da informação significa dizer que a informação pertinente deve fluir no ambiente e ser assimilada para permitir a ação policial no campo administrativo, operacional e estratégico. Por meio da estrutura da organização o processo direciona o fluxo da informação permitindo a construção do conhecimento. Nesse sentido a informação precisa estar dotada de pertinência, relevância e propósito.
Por intermédio da INP, organizações policiais buscam obter o chamado “poder de antecipação”, na lida com a evolução de um dos problemas mais cruciais que afligem a sociedade moderna, o delito violento, a corrupção e a atuações de organizações criminosas. A INP desenvolve um conjunto de ações que auxilia na determinação de padrões e tendências, descoberta de informações ocultas, em grandes bases agregadas de dados nacionais, regionais e locais, depositárias de registros de ocorrências do fenômeno do crime e da violência.

A COGNIÇÃO POLICIAL

Cognição é o elemento propulsor da organização na implementação de processos sistêmicos e continuados de coleta da informação, considerando neste aspecto a aplicação de tecnologia da informação que facilita a interpretação e a construção do conhecimento. Prosbst, Raub e Kai (2002) apontam que, ao contrário de fazer distinções nítidas entre dados, informações e conhecimento, pode ser mais útil colocá-los em uma série contínua, com os dados em uma extremidade e o conhecimento na outra.
Assim é que sinais esparsos de dados e informações reúnem-se para formar padrões cognitivos sobre os quais as ações podem basear-se. As habilidades e o conhecimento são adquiridos gradualmente, desenvolvendo-se ao longo do tempo e por intermédio de um processo em que somas de informações são reunidas e interpretadas. Tal processo pode ser definido como uma progressão ao longo de um contínuo de dados, passando por informações, elaboração do conhecimento e a Inteligência da organização.
Segundo Hayes e Allinson (1994) a cognição está relacionada à forma como as pessoas adquirem, armazenam interpretam e utilizam o conhecimento. Portanto, cognição é busca, processamento e utilização de informações, que gera um significado efetivo para a organização.
Na atividade investigativa ou preventiva a cognição é um processo mental humano dos profissionais associado à análise e ao processamento da informação para resolução de problemas e tomada de decisão. São processos desenvolvidos pela organização no tocante à busca da verdade real sobre um crime ou um fenômeno, identificação de padrões, tendências, projeções. Pela captação de dados e organização de informações em bancos de memória, realizam diagnósticos e prognósticos, produzindo conhecimento sobre as situações mais complexas do ambiente social.
A cognição está relacionada aos métodos ou procedimentos envolvidos na organização policial para ser elemento impulsionador de processos sistêmicos e continuados de coleta da informação, análise e síntese, e com a tecnologia da informação, facilitar a construção do conhecimento pertinente na atividade policial.
A infra-estrutura tecnológica que apóia a estrutura de fontes de informação amplia a capacidade de obtenção da informação, que no contexto mais genérico, significa aumentar a capacidade de gerir informação significativa e construir conhecimento. Isto promove uma visão da organização mais aberta para acesso à informação. A ênfase está na agilidade, rapidez e distribuição. A tecnologia da informação oferece coordenação e ambiente para o envolvimento de pessoas e setores em rede realizando inúmeras funções, que antes, departamentos costumavam fazer apenas poucas funções de forma centralizada.
[1] PROSBST, Gilbert; RAUB, Steffen; KAI, Romhardt. Gestão do Conhecimento: os elementos construtivos do sucesso. Editora Bookman. 2002.
[2] HAYES, J e ALLINSON, C.W. Cognitive style and its relevance for management practice. British Journal of Management, vol. 5, n.1,p.53-71,1994.
CELSO MOREIRA FERRO JÚNIOR

Advogado OAB/DF

Consultor em Segurança, Inteligência e Contrainteligência Empresarial.

Delegado de Polícia
Civil do Distrito Federal (Aposentado).

Mestre em Gestão do Conhecimento e Tecnologia da Informação na Universidade Católica de Brasília.
Pós-graduação (Especialista) em Gestão de Tecnologia da Informação na Universidade de Brasília UNB;
Pós-graduação (Especialista) em Inteligência Estratégica UNIEURO.
Pós-graduação (Especialista) em Polícia Judiciária na APC/UCB;
Graduação em Direito pelo Centro Universitário do Distrito Federal, atual UDF, 1987.

Formação Complementar
Advanced Management Course - International Law Enforcement Academy. EUA. 2007.
Advanced Course Inteligence - IMI, Israel. 2002
Curso Superior de Polícia. Academia de Polícia Civil do Distrito Federal.
Operações de Inteligência. Vertente: Planejamento. ABIN. 2000.
Procedimentos de Inteligência. Vertente: Análise.
ABIN. 2001.
Ciclo de Estudos de Política e Estratégia da Associação dos
Diplomados da Escola Superior de Guerra ADESG/UNB

Concentração de Estudos em Gestão do Conhecimento, Ciência da Informação, Inteligência Policial, Inteligência Tecnológica, Interceptação Telefônica e Ambiental, Cognição Investigativa, Análise de Vínculos e Inteligência Organizacional.

Autor dos Livros “A Inteligência e a Gestão da Informação Policial”, Editora Fortium, e, “Segurança Pública Inteligente” Editora Kelps.

Conferencista em vários Seminários e Eventos Nacionais e Internacionais sobre Segurança Pública. Palestrante e docente em diversos cursos de formação de agentes de segurança pública e em diversas Instituições de Ensino Superior (IES), mais recentemente do Núcleo de Estudos em Defesa, Segurança e Ordem Pública (NEDOP) do Centro Universitário do Distrito Federal (UniDF). Diretor Científico Adjunto do Instituto Brasileiro de Inteligência Criminal INTECRIM.

Coordenou e executou na Polícia Civil Distrito Federal importantes projetos na área de Tecnologia e Inteligência.

Comandou as ações Repressão ao Crime Organizado, Inteligência Policial, Operações Especiais, Repressão a Sequestros, Crimes Contra a Administração Pública, Crimes Tecnológicos, Análise Criminal, Planejamento e Logistica Operacional, Comunicação Organizacional, Controle de Armamento, Munições e Explosivos, Operações Aéreas e Delegacia Eletrônica.